Quando a vida é coisificada.

Publicado: 12/03/2009 por Gabi em Outros textos

Por Renato Vargens

Eu tenho um grande amigo que trabalha como designer gráfico. Lembro que certa vez, pude presenciá-lo apresentando um dos seus excelentes trabalhos a um de seus clientes. Percebi que ao entregar o material a aquele que o havia contratado, o mesmo, líder de uma igreja crescente, colocou a mão no bolso, retirando de dentro um bolo de dinheiro. Logo após, assinou o recibo, efetuou o pagamento, e sem a menor consideração foi embora não emitindo uma palavra sequer de agradecimento. Após a saída do pastor, perguntei ao meu amigo: Ele não agradeceu pelo trabalho que você fez? Como resposta ouvi: “agradeceu nada. Na verdade, eu estou acostumado a este tipo de atitude, até porque, pessoas assim se relacionam com as outras como se prostitutas fossem, ou seja, pagam pelo serviço e vão embora.”

Caro leitor, neste tempo pós-moderno onde o hedonismo é filosofia primordial de vida, tornou-se absolutamente comum vislumbrarmos nas relações interpessoais a instrumentalização da vida. Infelizmente, em nome do desejo da conquista, não são poucos aqueles que têm tomado posse do famoso bordão popular: “fazemos qualquer negócio”. A conseqüência direta disso é a coisificação do ser humano, onde pessoas tornam-se objetos descartáveis, prontas a serem jogadas no lixo quando por algum motivo não prestam mais.

No evangelho de Marcos, capitulo oito, Jesus trata de um assunto extremamente interessante. O texto diz que ao curar um cego, a primeira imagem vista por este, era de homens como árvores. Paul Hiebert, diz que temos a tendência de ver pessoas que não são parte do nosso contexto social imediato como parte da paisagem, ou um pedaço de mobília. Por acaso você já se deu conta de que temos uma enorme facilidade de coisificar à vida? Isto é, se por algum motivo achamos que algumas destas pessoas as quais nos cercam não nos servem mais, sem titubear as descartamos no lixo da existência. Jesus, ao perceber que o cego enxergava pessoas como arvores, não hesitou em tocá-la novamente até que de fato o milagre acontecesse.

Lembrem-se, pessoas não são arvores, ou objetos aos quais usamos e jogamos fora. Pessoas precisam ser amadas, respeitadas e nunca instrumentalizadas. De que forma você as têm enxergado?

Pense nisso!

Blog Genizah Virtual.

Anúncios
comentários
  1. Gabi disse:

    Li esse post no blog do Genizah, e achei muito massa, porque isso faz parte do nosso cotidiano, e as vezes nós “coisificamos” as pessoas.

  2. Bruna disse:

    Concordo, Gabi. 😀

  3. Larissa disse:

    gostei demais do texto. 🙂

  4. thi4gobraga disse:

    Ler esse texto me fez lembrar as “sabias palavras” de Ana Paula Oliveira, ex bandeirinha de futebol na saída do pseudo-programa “A fazenda 2”, foi perguntada por Britto Jr., o que faria de agora em diante. “Faço qualquer coisa, Britto”, respondeu … tadinha, eté é bonitinha, mas se perdeu … que pena.

  5. Anônimo disse:

    “É mais fácil ignorar o que esta em volta, fingir que todos são componetes de uma paisagem, esquece o resto e focar em seu mundo com seus problemas, a vida assim se torna mais fácil.”

    “Em quase todas as situações que eu passei em minha vida foi mero obstáculos, oque foi uma barreira foi ver que a sempre alguem do meu lado com seus problemas, gostos e pensamentos. Apartir desse mometo vi que é mais fácil ignora-los e focar em minha vida, pois já basta eu com minhas ilusões.”

    “Morrer é fácil, viver é difícil.”

    Agora entendo porque existe emo.

  6. Gabi disse:

    ¬¬ /um minuto de silêncio.

  7. Israel Branco disse:

    Cara, que massa.

    E eu relaciono esse texto principalmente com a família, ou com outros setores da vida que já fazem parte da rotina.

    Hoje eu tava com a minha mãe no trânsito e, como o trânsito tava horrivel, eu parei para olhar o que estava ao redor do carro. Percebi que os topos dos postes aqui em Fortaleza são laranja e amarelo. É bonito. Lá em Natal não tem isso. Foi uma das primeiras coisas que eu notei quando cheguei aqui, em 2004. Mas com o tempo fez parte da paisagem e eu deixei de notar.

    EM FOCO: às vezes fica tão normal o que muitas pessoas fazem por nós que esquecemos de agradecer.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s